sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

A crise e as prendas de Natal

Os miúdos sabem que no Natal não há prendas caras, isso fica guardado para os aniversários, porque são muitos e não há dinheiro para financiar o Pai Natal assim.

Este Natal, mais do que os anteriores, precisamos de reduzir ainda mais o quanto gastamos em prendas. Não é que gastemos rios de dinheiro, nada disso mas confesso que me deixo entusiasmar com as coisinhas giras que vou vendo nas idas às lojas e acabo por comprar mais do que inicialmente tinha pensado. A verdade é que os miúdos merecem, são bons meninos, no geral portam-se bem, são bons alunos, bons filhos, bons irmãos e são uns ajudantes prestáveis nas suas tarefas domésticas. Mas este ano disse a mim mesma que tenho de seguir com maior rigor a minha lista de prendas e espero mesmo conseguir.


Quanto aos miúdos, andam entusiasmados com a aproximação do Natal. As cartas ao Pai Natal já estão escritas e enviadas para chegarem a tempo até ao velhinho. Para os rapazes foi dificil reduzirem a lista de pedidos mas foi um bom exercicio para compreenderem o que realmente querem ou precisam.

Nos próximos dias lá andaremos nós - pai e eu - a percorrer o centro comercial em busca das prendas dos miúdos. Tirando a confusão que se faz sentir nos centros comerciais nesta altura, é uma tarefa que eu adoro realizar! Depois é esconder tudo e esperar pela manhã de Natal para ver os sorrisos da minha criançada ao desembrulharem os presentes.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Das doenças

E hoje a nossa pequena Francisca teve finalmente alta! Esperemos que agora não apanhe os bichinhos que andam a chatear o resto da malta para que se mantenha afastada do hospital e dos medicamentos nos próximos tempos.

Hoje o Tomás e a Beatriz ficaram de molho, acordaram com febre depois de terem passado o feriado a queixar-se da garganta. A Adriana está tão entupida que até mete dó. A Camila e os gémeos lá se aguentaram sem febre, embora estejam com uma constipação medonha, e foram para a escola. A Concha até mais ver continua sem queixas e esperemos que assim se mantenha.

É realmente uma grande chatice quando os bicharocos vêm em doses industriais e atacam praticamente todos os miúdos ao mesmo tempo. O inverno tem destas coisas...

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Dores de crescimento

Crescer dói.

O Tomás tem acordado praticamente todas as noites a chorar desesperado com dores nas pernas. Um Ben-u-ron e umas massagens com pomada depois, lá consegue acalmar e deixar-se dormir. Tem sido penoso, para ele e para nós, que pouco podemos fazer para aliviar as dores. "Sempre que crescer vai doer?" - pergunta o Tomás. Não meu filho, esperemos que não e que continues a crescer muito sem estas dores chatas.

sábado, 4 de dezembro de 2010

Da escola

E com o aproximar do "prazo" para a professora decidir se separa os gémeos ou não, começo a sentir o Eduardo mais instável e preocupado com o assunto... Sinceramente espero que a professora tenha mudado de ideias e que os mantenha como colegas de carteira. A ver vamos...

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Tomás, 8 anos:

"Mãe? Podemos ter um cão bebé?"

Mãe, mais uns quantos muitos anos que o Tomás:

"!?!?!"

Tomás, com um ar muito sério:

"Mãe e só um bebé?"

Para o meu filho cães bebés e bebés devem ser a mesma coisa, só pode!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

De novo "dói-dói"

O que nós queríamos mesmo mesmo era que este ano a Francisca não tornasse a adoecer (pelo menos não da forma como tem acontecido até agora) e quando lhe soprámos as velas do bolo de primeiro aniversário foi nisso que pensei. E durante uma semana esse desejo realizou-se. Infelizmente foi só mesmo durante uma semana... Há dois dias lá voltámos ao hospital com uma bebé quase desfalecida nos braços. Novo internamento, nova medicação e mais uma tonelada de preocupação.

Temos o pensamento positivo de que vai passar conforme ela for crescendo e é isso que nos vai dando folêgo para mais uns dias difíceis. Isso e aquele sorriso lindo que aquela miúda não perde (quase) nunca, mesmo quando lhe estão a fazer "maldades". Se ela, que sente na pele todas as provações, aguenta de forma heróica, como havemos nós pais de não aguentar?

Numa nota mais alegre, o dia de aniversário delas foi muito bom. Fizemos uma pequena comemoração, na companhia dos avós, com direito a um bolo delicioso e umas prendas giras. Foi um dia cheio de alegria e de muita emoção. Muito obrigada a todas vocês pelas palavras que nos deixaram!

sábado, 20 de novembro de 2010

1 Ano!!

Feliz primeiro aniversário nossos "Raios de Sol"!!!
E as palavras que se recusam a sair tal é a emoção...

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

1 mês

1 mês... 30 dias... É o tempo que nos separa do primeiro aniversário das gémeas! Nem posso acreditar. Se por um lado acho que este ano passou a voar - ainda mais do que o costume - por outro tenho quase a certeza que este ano equivaleu a uns 10 ou 15 anos!

Quase um ano e mal guardei recordações delas aqui. E o tempo que não perdoa as memórias, que vão ficando cada vez mais nubladas...

11 meses e são raras as noites em que dormem a noite toda. Aliás, posso afirmar que em 11 meses isso ocorreu 3 vezes. 2 vezes a senhora Adriana e 1 a Francisca. Têm o péssimo hábito de preferir adormecer ao colo - não vos censuro, o colinho das manas deve ser óptimo. A adormecer na cama só mesmo com companhia com direito a histórias e cantorias. Não há dúvida alguma que estão mimadas até mais não! Ainda não foram fazer companhia à Concha no vosso quarto mas talvez esteja para breve esta mudança.

Há poucos dias a Adriana aventurou-se nos seus primeiros passos e que grande festa que os irmãos lhe fizeram. A Francisca, menos destemida que a irmã, prefere continuar a andar agarrada às coisas ou de mãos dadas connosco. A seu tempo lá irá. Gatinham como umas autênticas profissionais (o terror dos manos quando há brinquedos espalhados pelo chão) e ninguém vos pára. Como todos, têm uma tendência enorme para irem mexer no que não devem e nada que esteja ao vosso alcance está seguro.

Tal como acontece com o Eduardo e o Gabriel, têm as duas personalidades muito diferentes. A Adriana é o furacão, irrequieta e barulhenta, não gosta de ouvir um não - fica com um feitiozinho tão torto - e está sempre metida a fazer asneiras. Não é nada dada aos mimos apertados que os irmãos lhe dão e quando estes insistem não hesita em fazê-los saber que não quer, chorando ou distribuindo umas palmadas e puxões de cabelos. No entanto gosta de brincadeiras "mais brutas" com os irmãos. Quando quer, distribui uns beijinhos tão bons! A Francisca é a nossa paz de alma. Sossegadinha, não gosta de grandes confusões - é uma bebé meio assustadiça -, está sempre pronta a receber uns mimos e a distribuir beijinhos por todos nós. Não tem tido um primeiro ano de vida fácil mas é uma lutadora sempre pronta a lutar e a sorrir.

Já nos deliciam com algumas palavrinhas: oá, can, mamã, bá. Mas claro, com tanto mano em casa, não podiam demorar a aprender a chamá-los e é provavelmente a palavra que mais vezes dizem.

Não são propriamente boas bocas. A Francisca costuma ter uma falta de apetite impressionante e as refeições são umas pequenas lutas. Tudo se torna mais fácil com a ajuda dos manos, que tornam os momentos de refeição em pequenas brincadeiras (a maravilha que é ter estes ajudantes).

São as nossas pequenas princesas, que viraram as nossas vidas do avesso mas que nos fizeram uma família ainda mais feliz! E eu só peço que este mês passe devagarinho!

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Dilema resolvido

Obrigada a todas pelas vossas opiniões quanto à separação dos gémeos na sala de aula.

Tentámos ao máximo fazer o Eduardo ver que era uma coisa boa ele estar a partilhar a carteira com outro menino que não conhece tão bem quanto ao mano, uma oportunidade de fazer mais um amigo, mas nada disto o convenceu. Chegámos ao ponto de ter de o arrastar para a escola, de o deixar lá a espernear e a berrar que não queria lá ficar e de o ter a vomitar todas as noites antes de ir dormir. Estava a chegar mesmo a uma situação impossível de gerir e por isso nós pais tivemos uma conversa muito séria e decidimos que tínhamos mesmo de falar com a professora.

A conversa com a professora correu bem, fizemos ver o nosso ponto de vista e, acima de tudo, conseguimos que ela visse que o Eduardo não andava bem e que estava a fazer recusa à escola. Ficou combinado que até ao Natal o Eduardo e o Gabriel tornam a ser companheiros de carteira - salvo situações de mau comportamento. Nessa altura "será feita nova avaliação" para se decidir se o melhor é continuarem juntos ou separados. Confesso que prefiro que, chegada a altura, a professora não os separe porque não consigo ver necessidade disso - mesmo tendo tentado colocar-me no lugar da professora e ver do ponto de vista dela - mas vou deixar chegar a altura para pensar nisso. Até porque sei que a professora não decidiu separá-los só porque sim e tenciono dar crédito à sua maneira de ver as coisas.

Restabelecida a normalidade quanto aos lugares na sala de aula, aos poucos começamos a ter de volta o Eduardo que conhecemos, mais calmo e bem disposto e contente com o ir à escola.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Dilema

Mantém-se a recusa do Eduardo em relação a ir à escola. Todas as noites e manhãs temos birras e pedidos para não o obrigarmos a ir à escola. Esta recusa deve-se ao facto de a professora o ter mudado de lugar, o que implicou separá-lo do Gabriel. Unidos como eles são, consigo compreender a angústia que isto está a provocar no Eduardo. Resolvemos ir falar com a professora para saber qual a razão por detrás desta decisão. Já estávamos à espera que a razão não fosse por eles serem tão unidos que acabam por não socializar com os outros meninos porque durante todos os anos de jardim infantil nunca tivemos tal queixa e já os vimos na interacção com outras crianças.

A razão que a professora nos deu não nos satisfez totalmente. Disse-nos que achava que ia fazer bem aos dois passarem mais tempo separados, para se tornarem menos dependentes um do outro.

Ora, tanto eu como o pai não concordamos que eles sejam dependentes um do outro. São muito unidos, sim, sem dúvida alguma que são - e até acho que mau era se não fossem. Mas esta união, achamos nós, não se prende com dependência que possam ter um do outro. Penso que é algo tão natural quanto dois outros alunos, apenas e só amigos, optarem por se sentarem lado a lado nas carteiras da escola, porque para além de gémeos, o Eduardo e o Gabriel são bastante amigos. Podem até estar a atravessar uma fase em que precisam mais do conforto que a presença do outro promove, visto estarem num ambiente novo e com novas pessoas, experiências e exigências. Mas será isto necessariamente mau? Será isto sinal de dependência?

Sentimos-nos num grande dilema. Será que devemos confiar no que conhecemos do Eduardo e do Gabriel e pedir à professora que respeite a decisão deles de se quererem sentar juntos na sala de aula? Ou será que devemos confiar na opinião de uma pessoa de fora, que os conhece faz relativamente pouco tempo mas que, estando de fora, pode ter uma perspectiva diferente mas correcta? É que realmente a nossa opinião enquanto pais pode estar errada.
Quem disse que ser Pai era fácil?

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Birra

Hoje quem está com a birra sou eu! Rai's parta as medidas de contenção... Sempre os mesmos a pagar a factura!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Dias cinzentos

Há dias em que parece mesmo que as forças e o optimismo se esgotaram de vez...

E não consigo deixar de sentir um género de egoismo por me sentir assim, aquela sensação do "oh-Maria-há-pessoas-a-passar-por-situações-bastante-mais-complicadas-que-a-tua-e-continuam-sem-se-queixar".

Melhores dias virão, espero.

A nossa noite de ontem acabou com direito a gritos e palmadas, os míudos pareciam estar possuidos. A manhã de hoje não teve muito de melhor, foi um martirio tirar o Eduardo da cama e desde que se levantou até o deixar na escola esteve sempre a chorar e a dizer que não queria ir para a escola. Ficou a chorar e a tentar desembaraçar-se da contínua da escola que simpáticamente o foi receber e ficar com ele até lhe passar o choro... A Concha passou um dia para esquecer, com tanta birra e aquele "não" sempre na ponta da língua e a nossa pequena Francisca está de novo a fazer medicação com antibiótico, mais uma infecção respiratória - têm sido umas atrás de outras e assim nunca mais deixamos de ter o coração nas mãos... Tem sido realmente muito dificil lidar com esta situação de um filho menos saudável...

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Temos um novo "animal de estimação"

O meu pai comprou um porquinho para os miúdos - que não era bem para os miúdos, era para se juntar ao outro porco mas que os miúdos adoptaram como novo animal "brinquedo" de estimação. É realmente muito giro e pequenino e os miúdos tratam-no como se fosse um bebé.

Eu é que não gosto nada de ter o porquinho aqui por casa sabendo que quando crescer irá estar no meu prato...

domingo, 12 de setembro de 2010

Misterio resolvido!

Pois é, andava cá por casa a acontecer um grande mistério: os cereais estavam a desaparecer à velocidade da luz. O pai dizia que é porque os miudos estão em fase de crescimento e comem mais mas eu não estava assim tão convencida quanto isso.


Ontem resolvi o mistério: Eduardo e Gabriel sentados lá fora, pacote dos cereais entre os dois, a comer os cereais e imagine-se... a partilhar os cereais com os cães!


Não admira que os cereais voassem, com mais dois a comer!

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Inicio do ano lectivo 2010/2011

Com muitos euros a menos na nossa conta bancária, demos inicio a este novo ano lectivo.

O ano lectivo de estreia dos nossos pequenos na escola primária. Na quarta feira lá foram os dois para o primeiro dia do 1º ano. Iam entusiasmadíssimos com esta estreia! Deixei os miúdos contentes da vida na escola, sentados cada um no seu lugar da sala de aula - lado a lado que a ligação deles não os deixa ir para muito longe um do outro - prontos para um dia de muitas descobertas e a mandar aqui a mãe embora. Estive o tempo todo a lutar com todas as forças para não chorar mas assim que sai da sala deles não aguentei mais e olhem, temi inundar a escola tal foi o choro (esta mãe anda a sofrer de incontinência lacrimal, só pode!)! Foi demasiada emoção para mim ver os meus pequenos, que ainda ontem eram uns bebés pequeninos, sentados na sala da primeira classe. Não era suposto o tempo passar mais devagar?

Antes de deixar o Eduardo e o Gabriel na sala deles, deixámos o Tomás no pátio, no meio daquela agitação imensa de inicio de aulas, em que todos os miúdos têm muitas novidades para contar e coisas para mostrar uns aos outros. Já há várias semanas que o Tomás contava os dias para voltar à escola, os livros já haviam sido abertos tantas vezes que lhe dizia que quando chegasse à escola os livros iam parecer velhos! A professora é a mesma do ano passado e ficámos todos muito contentes com isso pois gostamos muito do método de ensino dela e da forma como lida com os miúdos.

As mais velhas tiveram hoje as respectivas apresentações e segunda feira já começam as aulas. A Beatriz está bastante entusiasmada com a mudança, por ter vários professores e mais disciplinas. Parece, também, estar compenetrada de que tem de tentar ao máximo portar-se bem na sala de aula.

Decidimos não colocar a Concha para já na escolinha e o que pesou mais nesta decisão foi o facto de ela estar a passar um mau bocado e a ter muitas dificuldades em lidar com os vários periodos em que estou ausente de casa, para acompanhar a Francisca. Assim achamos que vai ser mais fácil para ela encontrar a estabilidade emocional que precisa.

Esperamos que este novo ano lectivo corra bem, que seja cheio de novas aprendizagens e descobertas e que seja tudo o que os nossos estudantes esperam que seja.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

11 anos de Beatriz!


Feliz 11º aniversário Beatriz!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Eduardo e Gabriel,


muitos parabéns pelas 6 velas sopradas!

terça-feira, 3 de agosto de 2010

8


Muitos parabéns Tomás pelos teus 8 aninhos!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Bom tempo e banhos

Os meus filhos rapazes - sobretudo o Eduardo e o Gabriel - chegam tão mas tão sujos da escola que se vê logo que o bom tempo chegou e que há muita brincadeira no recreio.

Não chegasse a brincadeira no recreio da escola, com o bom tempo há também oportunidade de brincar lá fora no quintal e se julgasse que não se podiam sujar mais, não podia estar mais enganada! Vêm completamente castanhos quando os chamo para tomar banho e claro nunca lhes apetece ir para o banho, nem nunca é preciso.

"Queixava-me" eu deste facto ao meu pai no outro dia, enquanto esperava que os miúdos viessem para dentro tomar banho após tê-los chamado pela enésima vez, e dizia-lhe que ia colocar os miúdos na máquina de lavar que assim era um dois em um, lavava os miúdos e a roupa ao mesmo tempo. No dia a seguir a esta "queixa", chego a casa e começo a ouvir muitas gargalhadas vindas da direcção das traseiras da casa dos avós. Qual não é o meu espanto quando espreito e tenho os três miúdos alinhados no terraço do avô, espuma no corpo e o avô de mangueira na mão a molhar os netos. Os miúdos estavam divertidissimos e quase que a brilhar de tão limpinhos que estavam! Desde esse dia que, sempre que o tempo o permite, é assim que é o banho dos miúdos (e por vezes da Concha, que gosta de participar das "brincadeiras" dos irmãos). Sem dúvida alguma que o avô teve uma ideia excelente ideia!

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Noticias nossas!

Cliché mas... Como o tempo voa! A vida por aqui tem sido tão agitada que os dias parece que só têm meia duzia de horas. E nessas meia duzias de horas os miúdos crescem, crescem e crescem sem parar. E por isso, nestas pequenas horas do dia tenho de arranjar tempo para ir comprar roupa aos miúdos. Será que seria muito mau continuar a mandá-los para a escola com camisolas e calças curtas? Ou dizer-lhes para encolherem a barriga para que consigam apertar o botão das calças? E o mesmo com os sapatos que insistem em encolher de semana para semana? Acho que no final de publicar este post tenho o serviço de protecção de menores a bater-me à porta!

6 meses. Já passaram 6 meses desde o nascimento das pequenas da casa. E se por um lado o tempo voou, por outro parece que há dias que demoram seculos a passar. As miúdas mais pequenas estão lindas e a crescer. Temos tido direito a alguns sustos, cortesia da senhorita Francisca. Alguns internamentos, uns mais curtos outros mais longos e parece-me que passámos a passar grande parte dos nossos dias no hospital. Problemas respiratórios que insistem em perturbá-la e à nossa rotina ainda pessimamente estabelecida. O inverno não foi de todo meigo com ela e esperamos que agora a Primavera - ou pelo andar que isto leva, o Verão - se despache a chegar e a trazer o melhor tempo. 6 meses que embora sejam muitos meses, são poucos para aqui a mãe se habituar a ter uma cria um tanto menos saudável e que exige cuidados diferentes do que estava habituada. Ando sempre com o coração bem pequenino e acho que se ela soubesse falar me diria que sou uma mãe chata como tudo e que devia aprender a relaxar senão fico mais velha num instante. Na verdade não diz ela mas dizem os outros, que esta mãe virou muito chata com tantos cuidados extra que exige na limpeza e nas brincadeiras com as bebés. Não é por mal e bem sei que devia relaxar e aligeirar mas é mais forte que eu! Aos poucos vamos lá.

O Eduardo e o Gabriel já estão matriculados na escola primária. Nem imaginam o ataque de choro compulsivo que me deu enquanto preenchia os papéis... Culpa das hormonas, digo eu. Nem quero imaginar como vai ser quando os vir na festa de final de ano deles, os meus finalistas da pré-escola! Já estão crescidas estas duas pestes. Crescidos mas mimosos, que ainda lhes sabe muito bem o colinho e os beijinhos da mãe e do pai - e ainda bem que assim é.

A Concha também cresce a olhos vistos. Está esperta e mexida. Bastante desenvolvida para a idade dela, como diz a pediatra. São as maravilhas de se ter irmãos mais velhos que puxam e ajudam na aprendizagem. Adora andar atrás dos irmãos e a tentar entrar nas brincadeiras deles, principalmente do Eduardo e do Gabriel, que diga-se já não acham piada alguma a esta situação. Pior mesmo só quando a pequena se lembra de lhes destruir as brincadeiras montadas no chão. Por causa disto, concordámos que passassem a montar as brincadeiras em cima da mesa mas a verdade é que a pequena já aprendeu a chegar lá também.

A escola tem corrido bastante bem aos mais velhos mas já estão todos cheios de vontade de entrar de férias. São uns amores de miúdos! As duas mais velhas, embora achem que estou uma chata, têm sido grandes ajudas cá em casa e fico-lhes muito gratas por isso.

É assim que se vai desenrolando a vida nesta casa, que na maioria dos dias mais parece uma casa de malucos - verdadeiramente!

domingo, 14 de março de 2010

13 anos

Feliz aniversário Camila!

13 anos... 13... A nossa adolescente!... Quase que nem dá para acreditar que hoje sopras já 13 velas! Muitos parabéns nossa pequena adolescente!

segunda-feira, 1 de março de 2010

E finalmente, a Francisca junta-se a nós em casa!

Não há palavras para descrever a felicidade que sinto por finalmente a termos em casa!

Estes próximos dias vão ser de nova adaptação, para nós e para ela mas tenho confiança que tudo correrá bem e com calma.

Estamos imensamente felizes!

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

2 anos

Muitos parabéns nossa pequena Concha!!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

É com alguma dificuldade que tentamos dar aos nossos dias um pouco de normalidade. Não é uma tarefa fácil numa casa cheia de miúdos ter de dividir o tempo com idas ao hospital para estarmos (o pai e eu) junto da Francisca. E sinto-me falhar porque acabo por não estar a 100% em nenhum dos sitios. Os meus filhos são uns amores tão grandes que tudo têm feito para me aliviarem o trabalho e tem havido muita entreajuda entre eles.

De todos, a Concha tem sido a que mais tem demonstrado estar a ressentir-se com a situação. Tem dado umas noites terriveis e só sossega quando a deito no meu colo ou a dormir na nossa cama, choraminga por tudo e por nada e as refeições têm sido uma luta... Vai passar, é o que digo a mim mesma todos os dias.

Os miúdos estão grandes, crescem mesmo sem sol. As notas de final do primeiro periodo foram de deixar os pais muito orgulhosos dos pequenos estudantes. Que se mantenham assim, é o que desejamos.

A Adriana cresce a olhos vistos e o tempo insiste em correr, roubando-me muito depressa a bebé pequenina pequenina. Está a começar a adaptar-se ao barulho da nossa casa mas não com muita facilidade. Os manos têm feito um esforço para serem um pouco menos barulhentos mas o entusiasmo das brincadeiras não ajudam muito.

A Francisca continua no hospital a por-se boa para vir para casa o mais depressa possivel. Tem sido uma espera dificil mas somos pacientes e, sobretudo, acreditamos que em breve a teremos na nossa casa, debaixo da nossa asa.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

1º post do ano!

Que 2010 seja um ano cheio de saúde e de concretização de muitos sonhos!